Otimize os lucros

Saber como otimizar os lucros do posto de gasolina é realmente importante, afinal, assim é possível construir um negócio saudável. Sem lucro é impossível pagar os credores, os funcionários ou obter o retorno financeiro desejado.

O problema é que, com o alto preço das refinarias, o percentual de lucro obtido é reduzido. O que fazer? De forma genérica, há três estratégias para otimizar o lucro: reduzir custos, aumentar os preços ou gerar economia por escala.

Pensando nisso, criamos um guia para você. Hoje você conhecerá algumas dicas relacionadas a essas três estratégias e descobrirá como usá-las para otimizar os lucros do posto de gasolina. Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Estabeleça uma cultura que valorize o lucro

Na maioria dos negócios é incomum falar sobre o lucro nas reuniões com os funcionários, afinal, é um assunto que diz respeito apenas aos investidores, certo? Errado! Todos devem se comprometer com a lucratividade.

O lucro é uma demonstração de que os clientes estão satisfeitos, de que há uma gestão organizada e de que os funcionários estão produzindo. O lucro beneficia a todos da empresa, proporcionando dinheiro aos sócios, pagamento aos funcionários e outros parceiros estratégicos. Quando o lucro cai, todos são prejudicados.

Por essa razão, faça questão de falar sobre a lucratividade desejada com a equipe, mostrando que é possível atingir melhores resultados. Busque construir uma cultura que valorize o assunto, esse é o primeiro passo para a melhoria.

Gerencie os custos “estratégicos” e “não estratégicos”

Uma das principais fontes de economia e, portanto, de lucratividade são os custos do estabelecimento. Ao reduzi-los, é possível “respirar” mais aliviado, assim como otimizar instantaneamente a margem de lucro obtida.

Bob Fifer, escritor do best-seller Dobre seus lucros, afirma que é preciso dividir os custos em “estratégicos” e “não estratégicos”.

O custo estratégico é aquele capaz de gerar novos negócios para a empresa, fidelizar os atuais clientes ou motivar os funcionários. A exemplo de ações de prospecção, fidelização dos clientes ou marketing interno.

Custos não estratégicos, por outro lado, são essenciais para a existência do negócio, porém, não influenciam a sua performance. Como exemplo: água, energia e aluguem. O objetivo é reduzi-los ao máximo, sem que isso afete a qualidade.

Entenda o que mais importa para os seus clientes

No intuito de otimizar a satisfação dos clientes finais, muitas empresas buscam investir nos mais diversos assuntos: inovação, qualidade, imagem de mercado e assim por diante. O problema é que tudo isso gera custos exorbitantes.

Para otimizar o lucro, reduzir custos e gerar satisfação, busque ser o melhor no que realmente importa para o público-alvo. Ofereça aos clientes os itens (tangíveis e intangíveis) pelos quais ele está disposto a pagar, e não os que não está.

Para Joe Calloway, escritor do livro Seja o melhor no que realmente importa, “dar conta das mil e uma tarefas que você considera necessárias para se tornar bem-sucedido é frustrante”. Em vez disso, encontre os dois ou três elementos que mais importam para o seu cliente, depois seja o melhor exatamente nisso.

Estabeleça um forte senso de urgência

Não é difícil compreender que a produtividade ao longo do expediente de trabalho está ligada à rentabilidade do posto de gasolina. Por lógica: quanto mais se produz, mais se ganha financeiramente e mais lucro pode-se ter.

O problema é que, segundo pesquisa feita pela Microsoft com 32 mil profissionais, cerca de 17 horas semanais são improdutivas — isso é mais de 2 dias de trabalho.

Para otimizar a produtividade, é importante criar um senso de urgência no posto de combustível. Diga que qualquer tarefa pode ser feita em alguns minutos, ou horas, ou dias, ou — se for algo realmente complexo — semanas de trabalho duro.

Ao otimizar a produtividade, mantendo a mesma base de custos no posto, é possível criar a chamada economia em escala. Ou seja, o negócio vai entregar mais aos clientes, receber mais dinheiro e manter nível de gastos.

Determine um teto para os gastos mensais

Qual o teto de gastos do seu posto de combustível? Se ainda não tem, é hora de definir. O teto significa que ninguém, nenhum setor ou líder do posto poderá ultrapassar determinado orçamento. A questão é: como defini-lo?

Avalie os atuais custos e defina, de forma arbitrária, um orçamento entre 10% e 20% inferior, depois deixe que os profissionais se adaptem a essa nova realidade. Tenha certeza que a economia virá de diversos lugares: papel, energia elétrica, manutenção de equipamentos e outros custos não estratégicos.

Estabeleça remunerações variáveis por desempenho

Hoje, sabe-se que o dinheiro não é o único motivador dentro de uma empresa, porém, ninguém discorda que ele ajuda a engajar os funcionários. Então, use essa estratégia para estimular comportamentos específicos na equipe.

Uma possibilidade é estabelecer metas desafiadoras para redução de custos operacionais, provocando, assim, o aumento da lucratividade. Informe que se o teto de gastos for respeitado, todos terão determinada participação nos lucros. Assim, além de reduzir custos, será possível motivar e educar a equipe de trabalho.

Pode-se, também, reunir os frentistas e informar que aqueles que apresentarem um melhor desempenho — em termos de número de clientes atendidos, nível de satisfação, erros operacionais etc — serão recompensados financeiramente.

Acompanhe os indicadores-chave de desempenho

Para finalizar, vale acompanhar com periodicidade os indicadores de desempenho do posto de gasolina. Também chamados de KPIs, esses indicadores ajudam a identificar o que tem — ou não — dado certo e promover melhorias contínuas.

Se o intuito é otimizar os lucros do posto de gasolina, um dos principais indicadores é o índice de lucratividade, que consiste na relação entre o lucro obtido e as receitas de determinado período. Confira a fórmula:

Lucratividade (em %) = lucro líquido / receita x 100

Imagine que o posto ABC teve uma receita de R$700 mil em Janeiro de 2017, porém, o seu lucro líquido foi apenas de R$22 mil. Ao aplicar o cálculo, é possível identificar uma lucratividade de 3,14%. Agora, basta definir metas de melhoria.

Assim, há diversas técnicas que podem ser usadas para otimizar os lucros do posto de gasolina, mesmo em meio aos elevados preços de aquisição. No final, será possível ter um negócio mais saudável, próspero e atraente.

Gostou do conteúdo? Aproveite para deixar o seu comentário. Conte-nos suas dúvidas, sugestões ou experiências sobre o assunto. Vamos lá!

Leave A Comment